Catando imagens


A fotografia sempre me fascinou, apesar das dificuldades existentes em relação ao custo, revelação e qualidade. O registro de imagens sempre acompanhou minhas atividades... Após cursar Arte, fotografar passou a ser uma necessidade, catar imagens faz parte do meu cotidiano. Não tenho uma temática ou poética visual definida, mas certamente os lugares são muito freqüentes nos meus registros. Perceber os espaços, uso, ocupação, diferenças, sutilezas e contrastes sinalizam essa tendência. A percepção estética do lugar gera a apropriação, consequentemente sentimento de pertencimento e afeto pelo lugar. Essa tendência influencia diretamente o meu trabalho como professora de Arte.
Em maio de 2009, uma manhã fria indicava os primeiros sinais sinais de que o inverno estava próximo... Tinha 02 aulas com a turma 81, a direção da E.M.E.F.Getúlio Vargas solicitou aos professores para desenvolverem uma atividade que contemplasse a Campanha Mundial de incentivo a prática de atividades físicas em benefício à saúde e bem estar: Dia Do Desafio. Com a proposta “caminhar, olhar e registrar”, convidei os alunos para uma caminhada no Bairro Brasília e através da fotografia deveriam catar imagens de repetição, organização, simetria ou sequência visual, encontradas na natureza ou produzidas pelo homem. Ao longo do caminho descobrimos fractais, concepções minimalistas, geometria... E o Bairro Brasília serviu de meio de estudo da arte. Participamos durante 02 horas do Dia do Desafio caminhando e catando imagens

 











Em abril de 2010, o professor de Língua Portuguesa e Inglesa, Ronie Von Martins, sugeriu a criação de um blog da escola, eu e a professora de História, Tatiana Pastorini, aderimos ao projeto que recebeu o nome Catavento. Durante o planejamento assistimos a um vídeo sobre nossa cidade, realizado para a 1ª Conferência Municipal das Cidades, surgiu a vontade de produzir um vídeo que revelasse os lugares onde nossos alunos moram... 


Com câmera na mão saímos às ruas dos Bairros Orqueta, Jayme Pons, Brasília e Jardim dos Pampas catando imagens. Nas últimas semanas contamos com mais uma parceria, a professora de Matemática, Lucilene Silveira Barbosa.

Motivados pelo projeto, além das fotos das ruas e paisagens, pessoas e casas, aos poucos cada um foi desenvolvendo sua poética visual e diversificando os temas de acordo com a multiplicidade de signos encontrados em cada saída de campo. 

Muitas vezes fomos surpreendidos ou surpreendemos nossos alunos em encontros inusitados. Nossos passos, olhares, falas e silêncio delatavam o inevitável, a apropriação!Os bairros revelaram muito além do que fomos buscar... Com um acervo de mais de 2000 fotografias, o despretensioso projeto resultou no maior banco de imagens desses lugares.
A partir desse acervo, desenvolveremos uma segunda etapa do projeto que visa resgatar a valorização da comunidade escolar em torno da Escola Municipal Getúlio Vargas. Uma questão de identidade sócio-cultural com o meio que proporciona uma vivência cotidiana dos nossos alunos. Um dos maiores desafios é a transposição das barreiras financeiras e o apoio à iniciativa da concepção da pluralidade de ideias, mas buscaremos alternativas para superar tais obstáculos.

Nós, catadores de imagens, jamais seremos os mesmos depois dessa experiência... Além da parceria, cumplicidade, troca e aprendizado, conquistamos o espaço das afinidades... E juntos (re) descobrimos o lugar, (re) descobrimos uma prática interdisciplinar e (re) descobrimos a educação além dos portões da escola.

Obrigada queridos colegas, parceiros e amigos.


Maria Fernanda Botelho

Comentários

  1. Juliane L. Guastuci Duarte3 de junho de 2010 10:15

    São incentivos a educação como este projeto, Catavento, que me fazem acreditar em um mundo melhor. Me senti emocionada ao ler esta proposta
    tão corajosa.
    Sendo filha de professora, e acreditando que o incentivo a educação é o primeiro passo para que possamos vir a formar cidadãos mais conhecedores de seu espaço, me sinto feliz por saber que existem pessoas como vocês que enxergam e registram a riqueza da cultura, do saber e da história da pequena Pedro Osório e dispõem de tanto carinho e dedicação a uma causa desta.
    Lendo sobre o projeto recordei do meu estágio da faculdade de Turismo Cultural, em que aceitei o desafio de ministrar aulas de educação patrimonial para alunos do ensino fundamental. Tentei buscar esse Olhar de aproprição junto a eles. Valorizando e conhecendo cada espaço que os rodiava.
    Enfim,Parabéns pelo incentivo!
    Parabéns,Grandes Mestres!
    Que esta semente seja exemplo para muitos que acreditam e apostam na Educação como um agente transformador de ideias!

    Com carinho
    Juliane L. Guastuci Duarte

    ResponderExcluir
  2. muito show o trabalho de vcs
    parabens nos gostamos muito
    jeniffer,israel,dianifer,

    ResponderExcluir
  3. muito lindo os lugares muito bem estão de para béns
    franciele

    ResponderExcluir

Postar um comentário